Desavenças e brigas. É assim que geralmente começa a violência doméstica. No Brasil, essa ainda é uma triste realidade, que independe de classe social ou grau de escolaridade. Segundo recente pesquisa realizada pelo Instituto Sangari, cerca de 90 mil mulheres foram assassinadas entre os anos de 1998 e 2010, destas 43,7 mil só na última década.

Ainda segundo o levantamento, 68% das mulheres usam o medo como a principal razão para evitar a denúncia contra a violência, pois os principais autores são parceiros e ex-parceiros.

Para ajudar mulheres que passam por essa situação, foi criado o Projeto Raabe, grupo da Universal que tem conquistado o apoio de autoridades para combater a violência contra a mulher. Recentemente, cerca de 18 voluntárias do grupo na Bahia, participaram de uma palestra na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), em Salvador.

Durante o encontro, os temas violência doméstica e os direitos assegurados pela lei Maria da Penha foram abordados. Também foram apresentadas formas de ajuda e orientação, buscando resgatar a dignidade e levar aos lares uma esperança de mudança.

Mas, há algum jeito de acabar com o medo de denunciar? Como por um fim à violência sofrida? E o que fazer se você foi vítima de agressão?

Os questionamentos acima foram feitos à palestrante Ananda Ferreira, assistente social que presta apoio a mulheres vítimas da violência, que deu algumas orientações:

Quando uma mulher sofre com agressões é necessário que ela vá até a Delegacia da Mulher, que funciona 24 horas, e relate o ocorrido. Ela será orientada sobre o que fazer. Ela pode também obter informações pelo telefone 180.

  • Em caso de estupro, não jogue as roupas fora, leve-as para a delegacia quando for fazer a denúncia. Se for o caso, você será encaminhada para atendimento hospitalar conveniado.
  • Quando o autor da agressão for desconhecido, procure guardar a aparência física, das roupas ou de outros detalhes que ajudem a identificá-lo.
  • Se puder, no momento da denúncia, traga seus documentos pessoais e endereço completo. Se possível, o nome e o endereço do autor do delito.
  • Evite andar sozinha por ruas poucos iluminadas e/ou movimentadas.
  • Geralmente as agressões ocorrem nos ambientes familiares. Procure ajuda para a solução de seus problemas, antes que se tornem insuportáveis.
  • Vale lembrar que os estupros em família não ocorrem repentinamente. Fiquem atentas ao comportamento de pais, companheiros, parentes e vizinhos, evitando o assédio que pode incorrer em violência sexual. Crianças e adolescentes molestados devem avisar uma pessoa de confiança para a tomada de providências.
  • Existem diversos serviços públicos e privados de ajuda à população, tais como Conselho Tutelar, Defensoria Pública, Serviços de Psicoterapia e outros que podem ajudar. Informe-se sobre eles na Delegacia da Mulher.

Para Rejane Moura, uma das participantes da palestra e também voluntária do grupo Raabe, encontros como esse são sempre um aprendizado. “No encontro na Delegacia da Mulher foi possível aprender cada passo do processo jurídico, com base na Lei Maria da Penha, para  uma mulher que rompe o silêncio e de alguma forma foi violentada. Foi de suma importância entender esse processo, para que possamos ajudar e encorajar as mulheres que, de alguma forma, sofrem ou sofreram a violência, seja ela sexual, intrafamiliar, entre outras”, disse ela.

Se você tem curiosidade em saber mais a respeito do projeto Raabe, clique aqui, ou procure um dos templos da Universal.

(*) Com informações do Raabe da Bahia

Tags:

Este post possui 1 Comentário

  1. ola bom dia temos q acabar mesmo com isso violencia so gera violencia .eu ja sofri muito com isso graças a deus q acabou .poriço concordo em ajudar acabar.com a violencia das mulheres do nosso paiz

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>